ATELIÊ CONSTELAR

Conheça o Curso de Formação – A Prática da Constelação em Diferentes Contextos e Situações de Vida – organizado para mostrar novas experiências, temas e soluções que vão além do contexto familiar e se estende a outras áreas. (SAIBA MAIS)

 

CONSTELAÇÃO FAMILIAR É:

Uma ferramenta terapêutica, criada há 40 anos, pelo alemão Bert Hellinger, que após vários estudos  verificou que existem dinâmicas, modelos de atuação, leis  que atuam dentro do sistema familiar. Ao serem ignoradas, surge o desequilíbrio,  que pode ser verificado no adoecimento de alguns familiares afetando toda a rede familiar, desde a geração mais distante até a atual. A sua grande contribuição foi a de identificar estas leis, como isso ocorreu e qual a forma de restabelecer a ordem, a saúde, a prosperidade e o lugar de cada um dentro do sistema familiar, recuperando assim o equilíbrio e a cura.

Um homem para além do tempo

BERT HELLINGER   criou uma metodologia que mostra o que está oculto dentro das relações e como podemos estabelecer a ordem da ajuda ao sistema. Foi indicado ao prêmio Nobel da Paz e já formou terapeutas em mais de 120 países, criando a Hellinger Ciência.

Atualmente a atuação terapêutica se estendeu para além do Contexto da Família e se tornou multidisciplinar,  atuando nas áreas do Direito Sistêmico, Saúde Sistêmica, Pedagogia Sistêmica, Constelação Organizacional, Comunicação na Mediação de Conflitos.

 

 

 

 

AS TRÊS LEIS OBSERVADAS POR BERT HELLINGER

LEIS SÃO FENÔMENOS SEMPRE VERIFICADOS DIANTE DE DETERMINADAS CIRCUNSTÂNCIAS.

Como a lei da gravidade, por exemplo,  não julga certo ou errado algo cair, ela  atua independente de nossa vontade. O que precisamos fazer é respeitá-la, como fazem os profissionais da aviação.

Assim ocorre com as leis identificadas por Bert  Hellinger em relação à família, quando desrespeitadas ou ignoradas elas  adoecem.  Conhecer essas leis traz saúde.

A LEI DO PERTENCIMENTO – todos do sistema têm direito a pertencer. Independente do que faz, do que é, do que fez. Um membro da família se for excluído, seja porque teve um destino difícil ou porque está longe, não deixa de ser da família. No entanto, muitos são expulsos da memória e deixam de ser lembrados. A lista dos excluídos é longa, mas como exemplo temos os assassinados, os viciados, os suicidas, os filhos bastardos, os doentes mentais, os que tiveram doenças estigmatizantes como hanseníase, câncer, tuberculose, aids, entre outros.
A exclusão faz o sistema sofrer uma espécie de compensação, como ocorre quando alguém perde a visão e aumenta a audição. Isso ocorre porque tudo tem consciência. E a família é uma célula viva, quando algum membro é excluído, alguém acaba representando inconscientemente. Tendo ações “estranhas” que fazem lembrar o tio que ‘era viciado’ e por isso foi internado e nunca mais alguém falou ou lembrou dele.
Essa lei do pertencimento quando desrespeitada, ou ignorada, é uma das que mais adoece o familiar mais novo, mais sensível, como se ele fosse “um problema”, mas na verdade o que ele inconscientemente esta tentando “é lembrar o familiar excluído”. Ao fazer uma CONSTELAÇÃO FAMILIAR é olha para isso, um novo movimento surge e quem estava excluído volta ao sistema restituindo a saúde ao membro da família adoecido porque estava vivendo uma vida que não era a dele.

A LEI DA  ORDEM – é uma das que mais descumpridas entre os membros da família. Principalmente quando alguns dos pais adoecem e os filhos se colocam no lugar de “pai ou mãe de seu pai”. Outra quebra desta lei é quando um filho estuda mais do que os pais, ou atinge uma colocação profissional e se acha no lugar de ‘ensinar aos pais o que é a vida”, por exemplo. Essa postura seria o mesmo que tentar colocar a matrioska maior dentro da matrioska menor ( figura acima) isso é impossível, não cabe.

No entanto, muitos tentam fazer isso e assim quebram a hierarquia e assim adoecem. Porque os que vieram antes são considerados maiores, são as fontes, e quem vem depois precisa saber que é menor, independente do lugar social que ocupa. Não se está falando de personalidade mas sim de origem, de quem deu a luz e possibilitou à pessoa nascer. Respeitar essa ordem traz saúde ao indivíduo e o papel da CONSTELAÇÃO FAMILIAR é o de revelar junto ao cliente qual o lugar que está ocupando e como isso se deu?

A LEI DO EQUILÍBRIO –  é uma das leis que influenciam muito os relacionamentos. Ela mostra como proceder de uma forma igualitária entre o DAR e o RECEBER entre os membros da família. A melhor forma de respeitá-la é dando apenas o que se tem e buscando receber apenas o que precisa. No entanto, muitos extrapolam suas forças dando tudo e mais um pouco do que têm seja em atenção, hora de sono, presentes e até o que não tem,  deixando um fardo para quem  recebe pois o preço foi muito alto e ele não terá tanto para dar em troca, por exemplo. Além disso, quem dá o que não tem faz o outro receber o que não existe trazendo desequilíbrio e estresse na relação. Isso pode ser visto na CONSTELAÇÃO FAMILIAR entre casais, pais e filhos e profissionais e seus clientes.